(43) 3325-5005

O benefício tributário para empresas que prestam serviços relacionados à saúde


As empresas prestadoras de serviços relacionados à saúde e optantes do regime tributário do lucro presumido, possuem uma tributação diferenciada do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido: 8% (IRPJ) e 12% (CSLL), enquanto as demais prestadoras de serviços estão sujeitas à base de cálculo de 32%.


Ou seja, a lei presume que o lucro das empresas do setor é menor do que o lucro de empresas de outros setores da economia.

Inicialmente, o benefício era concedido aos hospitais e levava em conta a necessidade de implantar e manter estruturas onerosas por parte desses estabelecimentos.

Esse entendimento foi ampliado e passou-se a considerar o caráter de relevância social dos serviços de saúde. A partir de então, uma vez observados determinados requisitos, outros estabelecimentos como clínicas e laboratórios médicos passaram a fazer jus ao benefício tributário.

Contudo, existem outros serviços de saúde que também possuem notável caráter social e contribuem consideravelmente para a saúde e qualidade de vida da sociedade, o que gerou diversas dúvidas no contribuinte sobre a concessão do benefício, que passou a levar a discussão ao âmbito administrativo e judiciário.

Nesse post iremos esclarecer como a Receita Federal e o Superior Tribunal de justiça já se posicionou sobre esse benefício nos últimos anos.

Quem pode se beneficiar?

Desde 2009, o Superior Tribunal de Justiça[1] pacificou o entendimento de que deve ser feita uma interpretação objetiva do termo serviços hospitalares .

O entendimento é de que a lei explicitamente concede o benefício fiscal de forma objetiva, com foco nos serviços que são prestados, e não no contribuinte que os executa.

O enquadramento na condição de instituição prestadora de serviços hospitalares sustenta-se unicamente na natureza dos serviços prestados. Fazem jus ao benefício os serviços hospitalares, ainda que não sejam prestados no interior do estabelecimento hospitalar, excluindo-se as simples consultas médicas, atividade que não se identifica com as prestadas no âmbito hospitalar, mas nos consultórios médicos.

Em 2014[2] a Receita Federal esclareceu que se aplica o benefício da base de cálculo reduzida para a prestação de serviços hospitalares desde que a prestadora desses serviços seja organizada sob a forma de sociedade empresária e atenda às normas da Anvisa.

Em setembro do ano passado[3], a Receita Federal esclareceu ainda que na prestação de serviços hospitalares e de auxílio diagnóstico e terapia a utilização do percentual reduzido na apuração da base de cálculo do IRPJ deve preencher os seguintes requisitos, cumulativamente:

a) a prestação de serviços hospitalares, assim considerados aqueles que se vinculam às atividades desenvolvidas pelos hospitais, voltados diretamente à promoção da saúde, prestados por estabelecimentos assistenciais de saúde que desenvolvam as atividades previstas nas atribuições 1 a 4 da RDC Anvisa nº 50, de 2002 (exceto consultas médicas); e

b) a prestadora dos serviços ser organizada, de fato e de direito, como sociedade empresária e atender às normas da Anvisa.

Nessa mesma solução de consulta, definiu-se que as receitas decorrentes da atividade médica ambulatorial com recursos para realização de procedimentos cirúrgicos e exames complementares em oftalmologia sujeitam-se ao percentual de 8% na apuração do IRPJ no regime de tributação do lucro presumido.

Peculiaridades do cálculo

Lembramos aqui que se a mesma pessoa jurídica prestar atividades beneficiadas e não beneficiadas, deve-se aplicar o percentual de presunção correspondente a cada uma delas.

Ou seja, as receitas decorrentes de serviços com o benefício garantido podem ser tributados de forma mais vantajosa, ainda que a pessoa jurídica tenha receitas que não estejam sujeitas à tributação mais favorecida.

Assim, garante-se que a receita bruta decorrente da prestação de serviços hospitalares fique sujeita à presunção de lucro de 8%, para fins de apuração da base de cálculo do IRPJ, e de 12%, para fins de apuração da base de cálculo da CSLL.

Por outro lado, no que diz respeito à prestação de serviços em geral, a pessoa jurídica deve aplicar sobre a receita bruta subsequente o percentual de 32%.

Por tal razão, não se podem aplicar as alíquotas reduzidas a toda a receita bruta auferida pelo estabelecimento, mas apenas ao montante recebido referente às atividades sujeitas ao benefício fiscal.

Economia tributária com responsabilidade

Como dito, desde a normatização do benefício muitos outros serviços foram abrangidos, por isso é tão importante informar-se sobre a possibilidade de economia tributária para sua empresa e manter um planejamento tributário atualizado.

Para que a empresa possa se valer desses benefícios, é recomendado que a empresa possua um rigoroso controle das receitas, de modo a permitir que, em caso de eventual fiscalização, a Receita Federal do Brasil possa identificar, com facilidade, que determinadas receitas estão sujeitas à tributação mais vantajosa.

Em determinados casos, é recomendado o ajuizamento de ação judicial visando trazer mais segurança jurídica ao planejamento tributário.

Qualquer que seja o caminho que você queira seguir para a economia tributária, este deverá ser bem orientado por profissionais para que sua estratégia não tenha surpresas desagradáveis e prejuízos ainda maiores.

Compartilhe:

Enviar Comentário